Publicada a nova norma BRCGS para Segurança dos Alimentos versão 9

Um breve resumo (idealmente de duas frases) da página. Esse texto também será mostrado na página “Portifólio de Padrões NSF” como um texto introdutório.
A versão 9 da norma BRCGS para Segurança dos Alimentos foi publicada no dia 1 de agosto de 2022. Demonstre seu comprometimento com a segurança dos alimentos com a certificação da NSF.

Continue reading

Água segura para todos e a importância da avaliação de conformidade dos produtos

Você sabia da importância da qualidade da água para o consumo humano?

Neste webinar, iremos apresentar como a NSF cuida desde tema e esclareceremos os objetivos da ABNT NBR 15784 para garantir que o produto químico que está sendo utilizado no tratamento de água não deixe resíduos que sejam prejudiciais à saúde, conforme preconiza a nova Portaria GM/MS nº 888.

Contate-nos

Por favor, preencha nosso formulário de contato e
nós entraremos em contato com você o mais breve possível

Presidente e CEO (CEO) da NSF, Kevan Lawlor, anuncia aposentadoria; Pedro Sancha sucede Lawlor como presidente e CEO

Kevan LawlorANN ARBOR, Michigan – A NSF (NSF) anunciou hoje que o presidente e CEO Kevan P. Lawlor decidiu se aposentar em 2022 e que Pedro Sancha se torna o próximo presidente e CEO da organização.

“Em nome do Conselho de Administração, da equipe de liderança e dos 3.000 membros da equipe da NSF, gostaríamos de agradecer a Kevan por seu impacto e liderança ao longo de seus 36 anos na organização”, diz o presidente do conselho da NSF, Richard E. Rabbideau. “Também estou animado em anunciar que Pedro Sancha se juntará à NSF como nosso próximo presidente e CEO. Pedro traz uma vasta experiência global nos setores industrial e de serviços, bem como as habilidades estratégicas e de liderança necessárias para levar a organização ao próximo capítulo.”

“Estou emocionado por me juntar à NSF neste momento importante de sua história, durante um período tão significativo para a saúde humana”, diz Sancha. “A pandemia demonstrou o quão crítico é para nossas sociedades contar com organizações independentes de testes, inspeção e certificação baseadas na ciência, como a NSF. Com sua experiência de nível mundial em segurança alimentar, qualidade da água, ciências da saúde e sustentabilidade, a NSF está posicionada de forma única para cumprir sua missão de proteger e melhorar a saúde humana e o meio ambiente em escala global”.

Pedro Sancha CEO NSF Sancha ingressa na NSF vindo da Ecolab, onde foi vice-presidente sênior e gerente geral do Industrial Digital Group. Nessa função, ele conduziu a transformação digital do grupo industrial de US$ 7 bilhões, com foco em Internet das Coisas avançada, análise baseada em nuvem, inteligência artificial, aprendizado de máquina, comércio eletrônico e monitoramento remoto de ativos. Antes dessa função, liderou a divisão Global Light Industries da Ecolab, tendo ingressado na organização como vice-presidente de estratégia e desenvolvimento de negócios.

Antes da Ecolab, Sancha trabalhou para a Shell, onde foi gerente geral para a Europa, Oriente Médio e África, além de ter aumentado as funções de responsabilidade na Ásia. Iniciou sua carreira como consultor de negócios na Arthur Andersen. Sancha tem mestrado em engenharia pela Universidade Politécnica de Madri e pela Ecole des Ponts Paristech, além de mestrado em administração de empresas pela Universidade de Harvard.

“Kevan desempenhou um papel significativo ao trazer prestígio internacional à NSF e nos levou a nos tornar uma organização global em um nível elevado. Sua liderança em nosso setor e como ex-presidente do American National Standards Institute (ANSI) ajudou governos, reguladores, parceiros do setor, clientes e consumidores, criando muitos padrões de saúde e serviços de avaliação independentes que são usados em todo o mundo hoje”, diz Rabideau.

“Sou grato por ter passado as últimas três décadas com esta maravilhosa organização e honrado por ter tido a oportunidade de liderá-la nos últimos 18 anos. Quero estender meu sincero agradecimento aos nossos funcionários que são profundamente comprometidos com nossa missão global de proteger e melhorar a saúde humana”, afirma Lawlor. “Gostaria também de agradecer aos nossos clientes, parceiros, comunidades e ao Conselho de Administração pelo apoio contínuo. O que conseguimos alcançar é nada menos que maravilhoso, e estou ansioso pelo que vem a seguir para esta organização incrível.”

A NSF (nsf.org) é uma organização global independente que facilita o desenvolvimento de padrões e testa e certifica produtos para as indústrias de alimentos, água, ciências da saúde e bens de consumo para minimizar os efeitos adversos à saúde e proteger o meio ambiente. Fundada em 1944, a NSF está comprometida em proteger a saúde e a segurança humana em todo o mundo. Com operações em 180 países, a NSF é um Centro Colaborador da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OMS) em Segurança Alimentar, Qualidade da Água e Ambiente Interno.

Para mais informações ou entrevistas na mídia, entre em contato com Allison Gammel em media@nsf.org.

Como os registros provam que os lubrificantes são de grau alimentício?

Técnico trabalhando com tablet em fábrica automatizada. Quais as características de um lubrificante de grau alimentício? | NSF international

Não deixe dúvidas

Os processadores de alimentos e bebidas desejam lubrificantes de grau alimentício porque eles podem atender às demandas de produção sem comprometer a segurança alimentar. Mas a verdade é que o termo “grau alimentício” pode ser usado vagamente. O registro ou a certificação de um lubrificante junto a terceiros, como a NSF, garante que um produto realmente atenda aos requisitos regulamentares de grau alimentício.

Como atender à definição de grau alimentício?

Durante as operações normais, sempre existe a possibilidade de um lubrificante ter contato mínimo com os alimentos. Como os lubrificantes de grau alimentício não são tecnicamente um ingrediente alimentar, esse contato acidental não pode levar à contaminação do alimento.

Para ser registrado como um lubrificante que permite o contato acidental, o produto deve ser formulado de acordo com o Código de Regulamentos Federais da FDA dos EUA, título 21, seção 178.3570 (21 CFR):

  • O título 21 do CFR fornece orientação sobre os ingredientes, facilitando uma lista específica de compostos químicos e aditivos permitidos.
  • O lubrificante deve ser inodoro, incolor e insípido.
  • Há um limite de 10 partes por milhão (ppm) para óleos básicos lubrificantes (por exemplo, óleo mineral) que podem estar presentes nos alimentos se ocorrer contato acidental.
  • Lubrificantes registrados como H1 ou com certificação ISO 21469 são considerados de grau alimentar.

+12.000 Lubrificantes de qualidade alimentar H1 registrados globalmente

Só podem ser usados ingredientes regulamentados pelo título 21, seção 178.3570, do Código de Regulamentos Federais?

  • Ingredientes com geralmente reconhecidos como seguros (GRAS, pela sigla em inglês) também são considerados aceitáveis para lubrificantes de grau alimentício pela FDA.
  • As notificações de contato com alimentos (FCNs, pela sigla em inglês) são outra forma de obter uma substância de contato com alimentos (FCS) aceita pela FDA. Eles são usados para FCSs que 1) não são listadas no Código 21 do CFR para uso final em contato com alimentos ou 2) já são listadas no título 21 do Código de Regulamentos Federais para uso final em contato com alimentos, mas o fabricante precisa expandir os parâmetros de uso final. As FCNs são aplicáveis apenas ao fabricante da FCS.
  • Isenções de limite de regulamentação (TOR, pela sigla em inglês) são uma alternativa aos FCNs. Embora a aplicação exija menos informações, um fabricante de lubrificante pode usar a isenção de TOR de um concorrente.

7% Taxa média de crescimento anual para lubrificantes H1 registrados pela NSF

A perspectiva global

Reguladores em todo o mundo referem-se ao título 21 do Código de Regulamentos Federais para definir o que consideram um lubrificante de grau alimentício. Há uma ideia errada de que os lubrificantes são registrados pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA, pela sigla em inglês). Isso não é verdade. O USDA interrompeu seu programa de registro em 1998.

A Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA, pela sigla em inglês) não tem regras oficiais que regem a definição de grau alimentício; no entanto, é importante saber:

  • Lubrificantes registrados como H1 e com certificação ISO 21469 são geralmente aceitos como lubrificantes de grau alimentício por reguladores e processadores de alimentos da UE.
  • Não foram tomadas medidas regulamentares na UE em relação aos hidrocarbonetos saturados de óleo mineral (MOSH) e aos hidrocarbonetos aromáticos de óleo mineral (MOAH).
  • Na UE, o dióxido de titânio (TiO2) não é considerado seguro como aditivo alimentar. Consequentemente, o TiO2 foi banido dos lubrificantes de grau alimentício destinados aos mercados europeus.
    • Como parte do processo de registro ou certificação, a NSF pode revisar as formulações para TiO2. Se o óxido não for encontrado, a NSF pode fornecer documentação suplementar para validar que um lubrificante não contém TiO2.

Os lubrificantes de grau alimentício fabricados, importados ou exportados no Brasil devem possuir certificação ISO 21469.

A Lei de Higiene Alimentar da República Popular da China não possui regulamentações específicas sobre lubrificantes de grau alimentício usados no país. No entanto, os lubrificantes de grau alimentício exportados da China devem ser registrados como H1 ou possuir certificação ISO 21469 para maior aceitação do produto nos mercados globais.

Para verificar se um lubrificante é de grau alimentício, os processadores de alimentos e bebidas em todo o mundo fazem referência a uma lista de programa de registro como o White Book™ (pagina esta em ingles) da NSF.

6 Razões Pelas Quais os Usuários Finais Procuram Produtos Químicos Certificados

As empresas de saneamento e a indústria de alimentos estão procurando produtos químicos de tratamento de água que sejam diferenciados.
Avaliação imparcial
Eles foram submetidos a avaliação imparcial de um terceiro.
Longevidade do produto
Eles são reavaliados ao longo do tempo para garantir integridade consistente e conformidade contínua.
Processo de Compra Simplificado
Eles podem ser rapidamente identificados através da certificação e da lista oficial de produtos certificados.
Atendendo aos requisitos regulatórios
Eles atendem aos requisitos regulamentares dos Estados Unidos, Canadá e muitos outros países ao redor do mundo como no Brasil.
Atendendo às especificações do produto
Eles atendem às especificações do produto para muitas organizações.
Credibilidade Adicionada
O uso deles adiciona credibilidade no mercado, já que os padrões (como NSF/ANSI/CAN 60) são baseados nos requisitos regulatórios mais atuais e são continuamente atualizados conforme os regulamentos de água potável são atualizados.
Visite nossa página de serviço para mais informações.

Webinar: Primeiro ano da ABNT 16824

O que ainda precisamos aprender sobre a prevenção da Legionella

Assista à apresentação gravada, além de perguntas e respostas.  Saiba mais sobre como prevenir a Legionella e obter uma água mais segura conforme a ABNT 16824.

Você vai aprender:

·       Como a Legionella se desenvolve e em quais situações pode ser um risco

·       Como elaborar um gerenciamento do risco da Legionella preventivo e efetivo

·       Aspectos que ainda geram dúvidas sobre a ABNT 16824

Contate-nos

Por favor, preencha nosso formulário de contato e
nós entraremos em contato com você o mais breve possível